quarta-feira, 23 de Novembro de 2011 13:36h Sarah Rodrigues

Eletricitários paralisam atividades por 48 horas

Os eletricitários iniciaram ontem uma paralisação de 48 horas em reivindicação a retomada de negociações com a Cemig (Companhia Energética de Minas Gerais). Os trabalhadores reclamam que a empresa não quer negociar, eles estão há mais de um mês em campanha salarial.
Na manhã de ontem, os trabalhadores se reuniram em frente à Cemig e discutiram os próximos passos, durante todo o dia haverá diversas ações e eles se reunirão em assembleia na Praça da Catedral. Durante o encontro, o sindicato apontou um balanço de todas as cidades da região e praticamente todas já estavam com uma paralisação de 100% dos servidores.


Segundo Celso Marcos Primo, coordenador do Sindieletro, há dois meses os eletricitários entregaram a pauta de reivindicações, mas a empresa não se propôs a negociar. “São mais de 70 dias que nós entregamos a pauta de reivindicação e a empresa até agora não concordou com nenhum item da nossa pauta. Ao contrário disso, a empresa faz uma premiação extra para seus superintendentes, os cargos altos com um abono de Natal de 200 mil reais, nós estamos achando isso uma afronta à população e aos trabalhadores”.


Os trabalhadores reclamam que a empresa a cada dia contrata mais trabalhadores terceirizados, por menores salários, desvalorizando os eletricitários. “Em Divinópolis são inúmeros casos de demora de restabelecimento de energia, as pessoas estão ficando à mercê de um serviço de qualidade, a Cemig não contrata mais trabalhadores, mandam os trabalhadores de Divinópolis para Belo Horizonte, só no ano passado foram mais de 40 trabalhadores transferidos e ficamos nesta situação. Na hora dos trabalhadores reivindicarem melhorias, a empresa oferece um prêmio para a alta cúpula da empresa”,  explica.


Os eletricitários reivindicam a abertura imediata de concurso público para a contratação de 3 mil postos de trabalho, aumento real de 11%, participação linear dos lucros da empresa, e melhoria das condições de saúde e segurança na empresa. “O carro chefe da nossa campanha é a contratação de novos profissionais para manter a Cemig boa para a população, e queremos também impedir a quantidade de mortes que vêm acontecendo na empresa, morre um trabalhador a cada 45 dias, vítima de acidente de trabalho, fora os mutilados e aqueles que a gente nem fica sabendo que são os consumidores que acidentam na rede e a gente não fica sabendo”.


Condições trabalhistas, diminuição de acidentes do trabalho, e valorização dos trabalhadores são algumas das reivindicações da classe. “Queremos mais saúde para os trabalhadores. No último contrato a Cemig estipulou para os trabalhadores salário de R$ 700, muito abaixo do mercado”, ressalta.

 

 

AÇÕES


Durante todo o dia os eletricitários se reunirão na praça da Catedral para continuar as reivindicações. “A mobilização ocorre em todo o estado, em Divinópolis nós recebemos a caravana de várias cidades da região oeste inteira e vamos nos concentrar na Praça da Catedral onde faremos uma grande assembleia”, conta Primo.


De acordo com o coordenador do sindicato, durante a assembleia os trabalhadores definirão os rumos da campanha. “Vamos definir se a gente vai para a greve, por tempo indeterminado, tomar os próximos passos da campanha”, esclarece.

 

CEMIG


Segundo a assessoria de comunicação da empresa os atendimentos à população continuam normalmente.

 

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.