quinta-feira, 29 de Dezembro de 2011 09:17h Atualizado em 29 de Dezembro de 2011 às 09:21h. Flávia Brandão

Faraco assume que protocolou documento do DEM

Já Paduano e secretário Hélio Araújo não confirmam que Faraco foi o responsável

A interferência do Poder Executivo no Legislativo Municipal é frequentemente levantada em plenário e na eleição da Mesa Diretora realizada, ontem (28), não foi diferente. O vereador Adair Otaviano (PMDB) e Edson Sousa (PSB) criticaram o fato do secretário de Governo, Antonio Faraco, ter protocolado o documento do DEM, que orientava Paduano a não compor em nenhuma chapa para a Mesa Diretora de 2012. Faraco confirmou que entregou o documento, mas considera que isso não é uma interferência do Executivo.
Adair Otaviano não descartou que a renúncia de Paduano na reta final poderá ser uma estratégia comandada pelo Executivo para enfraquecer a Chapa 2. “Sabemos que quem protocolou o documento do DEM foi o assessor de governo do Prefeito, Antônio Faraco. Pedimos ao presidente dessa Casa no prazo de 24 horas, para nos fornecer as gravações do vídeo da entrada principal até o protocolo, para saber quem esteve lá”, declarou. Adair pretende buscar os direitos da Chapa 2, já que na Casa não tem nenhum documento de renúncia do vereador Paduano, mas sim de orientação do DEM.
Apesar de Adair querer a gravação da filmagem interna, a mesma nem se faz necessária visto que o próprio secretário de Governo confirmou que foi o responsável pela entrega no protocolo.  O braço direito do prefeito Vladimir justificou a atitude afirmando que tem um grupo de apoio ao Prefeito Municipal, que envolve lideranças políticas e o trabalho de mobilização e construção da eleição na Câmara teve diálogo com o Governo Municipal. “Os vereadores encabeçando, importantes nesse momento, e o governo municipal também dialogando. É importante para nós construirmos uma boa relação com a Câmara e criar um ambiente para aprovação dos nossos processos executivos”, declarou. 
Sobre o fato dessa interferência ter prejudicado a Chapa 2, visto que um vereador mudou de posicionamento, Faraco considerou que não houve interferência. “Não é uma interferência do Executivo, ficou bem claro pelo próprio vereador Paduano, que a vontade dele foi seguindo orientação partidária”, declarou.
Manobra
Faraco avalia ainda que devido ao do registro da Chapa 2  ser próximo ao prazo final os integrantes como propósito estratégico tentaram “tumultuar a eleição”. A reportagem questionou ainda se não seria incoerente um membro do PSDB entregar ao protocolo um documento que compete à vida política de um integrante do DEM, Faraco respondeu: “Eu sou do PSDB, mas faço parte de um grupo político que discute questões e que tem interface importante com vereadores para criar um ambiente favorável aos interesses do município”.  O secretário disse não ter ciência se a presidente do DEM, Dona Maria Martins, tem conhecimento sobre o fato de ele ser o responsável pela entrega o documento. “Eu não a comuniquei, eu sei da anuência partidária”, declarou.
Desconhecimento
Ao que parece a “anuência partidária” citada por Faraco, não é confirmada por Paduano e nem pelo secretário-geral do DEM, Hélio Araújo. A respeito do fato Paduano disse: “Eu entreguei o documento ao secretário geral do partido, eu nem sei de Faraco. Assinei o documento lá em casa a noite, quem estava lá era o representante do partido”. Já Hélio disse que Faraco estava acompanhando o registro da chapa de Anderson Saleme e que não foi o responsável pelo protocolo.
DEM
De acordo com o secretário geral Hélio, a Chapa 2 de Adair já tinha conhecimento do posicionamento de Paduano inclusive eles estiveram com o decano, durante a madrugada, tentando fazer com que ele mudasse de posição. “Eles sabiam que o Paduano não iria participar só que eles estão usando isso como argumento. Politicamente é um direito deles, não vamos criticar em momento nenhum, cada um defende seu lado”, declarou o secretário.  

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.