sexta-feira, 16 de Dezembro de 2011 18:14h Atualizado em 16 de Dezembro de 2011 às 22:49h. Liziane Ricardo

Polícia orienta população sobre a coação de pedintes

Situação vem se repetindo diariamente nos sinais de trânsito em Divinópolis. A extorsão através de ameaças dos andarilhos aos condutores que se negam a dar esmola. Em contrapartida a Polícia Militar orienta que população não dê a esmola

A reportagem da Gazeta do Oeste flagrou por duas vezes somente nesta semana a abordagem de pedintes em diferentes sinais de trânsito, sob a situação em que o indivíduo se aproxima do veículo pedindo esmola, e caso o condutor se recuse, ele (o pedinte) o ameaça com um caco de telha. O motivo principal de estar com um caco de telha é devido o andarilho se considerar artista artesanal devido as pinturas que produz em pedaços de telhas e pisos.


Exceto ao trabalho do morador a população divinopolitana vem reclamando periodicamente não apenas deste indivíduo, mas de vários outros que praticam a abordagem nos sinais para pedir esmolas em qualquer canto da cidade, isso quando não se aproveitam de situações em estacionamentos para extorquir determinada quantia em dinheiro do condutor, alegando que estava tomando conta do veículo, intitulados como ‘flanelinha’. Portanto, as recorrentes ações que tem se alastrado e amedrontado os cidadãos, foi alvo de questionamento da reportagem a Polícia Militar.
Em resposta a este tipo de situação, o Tenente Leônidas Santos Ribeiro atribuiu que após a “Operação Carrapateiro” realizada entre as polícias Militar e Civil, ocasionou dos usuários, migrarem de lugar daí a recomendação da polícia, de que a população não dê esmolas. E considerando o risco do cidadão ter seu carro arranhado pelo pedinte, os militares avaliam que seja o caso, tendo em vista que terão outras pessoas perto como testemunhas que acabam indiretamente intimidando-os de cometer o delito.


“Orientamos que as pessoas não dêem esmolas, permaneçam com o vidro do carro fechado e caso ocorra algum tipo de coação, estacione próximo ao local e chame a polícia pelo 190. Somente com a ocorrência em mãos e com o depoimento de uma vitima que podemos autuar estas pessoas. Caso contrário não podemos levá-los presos se a acusação”, frisou Leônidas.
Contudo, a Polícia Militar está reforçando seu efetivo nas ruas de Divinópolis para inibir este tipo de situação.

Leia Também

Imagem principal

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.