domingo, 27 de Novembro de 2011 09:48h Luciano Eurides

Galo encara o Botafogo como uma decisão

A partida deste domingo, contra o Botafogo, em Sete Lagoas, está sendo encarada como uma verdadeira decisão pelas principais revelações do Atlético neste Campeonato Brasileiro: o volante Fillipe Soutto e o meia Bernard.
O confronto será válido pela penúltima rodada da competição e acontecerá às 17h, na Arena do Jacaré. “É um momento de decisão, um jogo muito importante, contra uma equipe muito qualificada que é o Botafogo. Então, o apoio da torcida será novamente muito importante para nos ajudar nessa batalha, que será muito difícil. Estamos cientes da nossa responsabilidade e temos que fazer o nosso jogo para tentar conquistar esses três pontos”, comentou Bernard.
Fillipe Soutto também destaca a importância do duelo com o Botafogo, time que considera muito bom, dedicado na marcação e com jogadores de qualidade no meio-campo e no ataque. “É um jogo para ser estudado, pensado e encarado como uma decisão. Então, a ansiedade é controlada na base da conversa e da concentração”, observou o jovem meio-campista atleticano. “Independente de ser contra o Botafogo, é importante que o Atlético vença o jogo para tentar colher os frutos de tudo que a gente veio plantando neste segundo turno e não deixe para depois”, concluiu Soutto.


Nos últimos três jogos, a equipe tomou gol nos minutos finais da partida. Em dois deles, contra Figueirense e Corinthians, o confronto estava empatado e o Galo acabou derrotado. No outro duelo, contra o Coritiba, o Alvinegro vencia por 2 a 0 e o jogo terminou com vitória atleticana suada por 2 a 1. Para o lateral-direito Carlos César, o time precisa ter atenção nos 90 minutos para não voltar a cometer os mesmos erros. “Uma coisa que aconteceu nos três últimos jogos, tomamos gol depois dos 40 minutos. Foi no detalhe. Time tem jogado bem, já conversamos e agora não podemos ter erro. Temos dar certo os 90 minutos para sair com a vitória e não sermos surpreendidos.”
O volante Richarlyson, que está atuando na lateral esquerda, lembrou que, caso o Galo tivesse somado os dois pontos (empate com Figueirense e Corinthians), o time já estaria matematicamente fora da briga contra a queda. “São coisas do futebol. Mas a gente tem conversado. Em dois jogos, onde poderíamos conquistar um ponto, a gente tomou o gol nos minutos finais. Tenho certeza que tiramos como lições e que os erros não vão acontecer mais. Quando você tem o resultado na mão, você tem que jogar com ele. Se a gente tivesse feito esses dois pontos, a gente teria 44 e não correria mais risco de rebaixamento.”

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.