sexta-feira, 23 de Dezembro de 2011 13:28h Luciano Eurides

Conselho prorroga mandato de Edilson de Oliveira

O conselho deliberativo do Guarani prorrogou por mais seis meses o mandato do presidente Edilson de Oliveira. Ele ficará a frente do Clube até junho, quando haverá novas eleições. Enquanto a diretoria tem a missão de disputar o campeonato mineiro 2012 e o conselho deliberativo deverá aprovar um novo estatuto para a entidade.
A decisão pela prorrogação do mandato ocorreu por conta da montagem da equipe para o Campeonato Mineiro, iniciada por Edilson de Oliveira com a disputa da Taça Minas Gerais e seria inconveniente outro presidente assumir com contratos e negociações em andamento. Também pelo processo de escolha. O estatuto de 1989 já deveria ter sido alterado a muito tempo e não o foi. Ultrapassado, será necessário a assembleia geral estabelecer um novo e assim o processo de eleição ser realizado já dentro das novas regras.
O presidente Edilson de Oliveira ressaltou a importância do Guarani para a cidade e disse ser necessário dar essa nova estrutura jurídica para o clube e não arriscar perder negociações iniciadas, já para um campeonato a começar. “Tem de se ter tempo suficiente para trabalhar para o campeonato estadual, mesmo tendo trabalhado na Taça Minas Gerais, para ser base, estamos perdendo jogadores para times do módulo II e temos dificuldades para contratação em dezembro. As dificuldades já são grandes. Vem o centenário de Divinópolis onde estamos assumindo compromissos, precisamos de um estádio mais confortável. Até nisso somos vítimas de deboche na capital mineira. Essas coisas nos preocupam. Financeiramente é muito problemático, a  busca é muito grande para isso. A prova disso está na Taça Minas Gerais onde não tivemos nenhuma renda, todo jogo deu prejuízo. Não sou favorável a reeleição, não quero se reeleito, tem de se mudar de mão, ideias novas devem aparecer. Vou dar mais uma contribuição de seis meses”, disse.
O ex-presidente Marcelo Notini fez uma declaração em tom de alerta para a necessidade de o estatuto, embora seja antigo, esteja em vigência e seja cumprido. “A minha decepção é com relação o conselho. Ao tomar posse estuprou nosso regulamento criando um conselho gestor que não existe. O Clube não é de ninguém. Essa figura serve para mandar sem ter responsabilidade, no fim ficou o Edilson colocando o CPF dele. Isso não existe. Tem de se honrar o estatuto, ele é velho, mas tem de ser respeitado, não pode ser uma casa de mãe Joana”, falou.
O vice-presidente do conselho deliberativo, Dr Verdy Barreto salientou ter sido uma decisão necessária para o bem da entidade. “Na atual situação mesmo que houvesse uma eleição, se um outro sem ser o Edilson iria ter sérias dificuldades, pois o campeonato está para começar. Foi uma situação onde foi a melhor para o Clube. Esperamos um bom resultado e em junho que se apresente os candidatos. Uma falha que sempre existiu é o estatuto. Se aparecesse cinco chapas aqui?”, esclareceu.
O novo estatuto deverá ser apreciado por uma comissão, a ser reunida na segunda feira pós Carnaval. Ele depois de aprovado em assembleia geral irá reger o processo eleitoral para a reeleição ou sucessão de Edilson de Oliveira.

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.