Esportes >
Final da Imef juvenil termina em pancadaria
Terça-feira, 3 de dezembro de 2013 às 4h 21 - Por: Luciano Eurides

O jogo final da categoria juvenil do Instituto Mineiro de Escolinhas de Futebol (Imef) não teve entrega de troféu. Aos 32 minutos de disputa, o Vasco da Gama e Jaraguá partiram para a pancadaria. A arbitragem suspendeu o evento quando o time de Divinópolis vencia por 1x0, resultado esse que levava a decisão para as cobranças de pênaltis. Com o tumulto, o troféu foi guardado e aguarda-se uma decisão da organização para a entrega da premiação.
No jogo de ida, em Belo Horizonte, o Jaraguá venceu por 2x1. No jogo de volta, domingo (01), estádio Mendes Mourão (Campo do Flamengo), o time cruzmaltino precisava de uma vitória para levar a decisão para os pênaltis, e o fez. Mateus Ferreira fez o gol, mas logo depois o jogador Léo, do Vasco da Gama acusou o atleta Guilherme (Jaraguá) de uma cotovelada. Antes mesmo da decisão do árbitro em expulsar o jogador, o atleta reserva Lucas invadiu o gramado e agrediu com um chute o atleta do Jaraguá. Gelson também partiu para cima dos atletas visitantes, Gabriel Cromado, Gelson, Dudu, Léo Ribeiro e Vinícius também participaram das agressões. Pelo Jaraguá, Guilherme, Marcos, Issac, André e João Marcos, estavam na principal briga. Com isso o árbitro Denisson Eufrásio, da Federação Mineira de Futebol (FMF) suspendeu a partida. “Para a segurança de todos, a partida está suspensa”, anunciou a nossa reportagem.
Antes desse tumulto, já havia ocorrido outro, no intervalo da partida, este se iniciou logo no apito final do árbitro, pais ameaçaram a comissão técnica do Jaraguá, houve também incidência de agressões por pessoas que não estavam jogando. Os atletas trocaram insultos e a Polícia Militar foi acionada. O árbitro Denisson Eufrásio aguardou por uma hora, entre o final do primeiro tempo e o início da segunda etapa. Somente com a chegada da guarnição comandada por Sargento Silvanio deu-se início ao segundo tempo. “A Polícia Militar não havia sido comunicada no tempo hábil para se fazer presente, a partir do momento em que tomamos conhecimento estamos aqui para proporcionar segurança. Se eu enquanto coordenador do policiamento verificar que não estão jogando futebol, peço o juiz para encerrar a partida, normal e legal, se alguém se sentir prejudicado procure o judiciário (desportivo)”, alertou o sargento da Polícia Militar. O jogador Guilherme alertava que o tempo de espera era bom para o Jaraguá. “Eles precisam do resultado e tudo isso prejudica de alguma forma para eles”, disse. O atleta Juninho, do Vasco da Gama concordava: “Ruim para os dois, pior para nós que precisamos do resultado, temos de nos manter concentrados em vencer a partida”, alertou.
Em campo o Vasco da Gama comandava a partida, logo com 40 segundos de jogo, primeiro lance, Bruno com um belo chute de fora da área acertou o travessão. Aos três minutos, cobrança de escanteio na área do Jaraguá e depois do rebote a bola sobrou para Gabriel Cromado que empurrou para o fundo do gol. A auxiliar Grazille Maia assinalava impedimento, pois o atleta permaneceu mais próximo a linha de fundo que os defensores e voltava dessa posição quando a bola sobrou para ele. Nos primeiros dez minutos de partida o Jaraguá não conseguiu sair do campo de defesa.
O jogo ficou aberto a partir dos 15 minutos, quando o Jaraguá chegou na área vascaína, mas Douglas chutou torto. O atleta do Jaraguá voltou a ganhar na velocidade, sobre o atleta Cromado e chutar, novamente para fora. Aos 17, Juninho invadiu a área, com muita força física ganhou e chutou para a importante defesa de Fábio. O contra ataque do Jaraguá conseguia levar vantagem sobre a defesa do Vasco e se aproximava muito do gol, o treinador do Vasco, para corrigir a marcação sacou Daniel e colocou Léo Ribeiro, ainda no primeiro tempo.
No segundo tempo o time do Vasco foi mais ofensivo e o Jaraguá se segurava como podia. Léo Amaral entrou no lugar de João Paulo e o time ganhou velocidade. Mateus Souza teve a melhor oportunidade até então e chutou rasteiro para nova intervenção do goleiro Fábio. Ainda entraram na partida Gelson no lugar de Juninho e Mateus Ferreira no lugar de Mateus Souza. Aos 26, Dudu ganhou a bola na raça, levou na linha de fundo e cruzou para Mateus Ferreira fazer o único gol da partida. Depois realmente o que se viu foram cenas lamentáveis de agressões.
Para o atacante Mateus Ferreira, autor do único gol do jogo, o momento é de lutar, até mesmo no tapetão. “Gol eu fiz, feliz demais, entrar e fazer o gol no momento que o time mais precisava, jogo muito truncado, muita briga, entrei e consegui mudar o jogo, vamos para o tapetão, não existe isso, o jogador deles começou a briga e até a polícia viu isso”, avaliou.
O volante Dudu contou como foi a participação decisiva dele na partida. “Foi na raça, um belo lançamento do Bruno que divide com o zagueiro, e a bola sobrou para rolar para Mateus (Ferreira) fazer o gol, é assim o caminhar do time foi assim o tempo inteiro, contra tudo e contra todos”, disse.

NOTA DA REDAÇÃO
De acordo com Sargento Silvanio, da Policia Militar, não houve por parte da entidade organizadora da partida (Imef), nem mesmo do Vasco da Gama a solicitação e os encaminhamentos necessários para a presença da polícia. Essa é a obrigação, pois o 23º Batalhão está diariamente aumentando o efetivo nas ruas, é visível o crescimento do número de militares e isso proporcional ao aumento do comércio por conta das compras de fim de ano. A segurança pública é afetada diretamente quando há retirada de efetivo para eventos esportivos. A comunicação prévia entre clubes e polícia é essencial para o evento e para a segurança da população geral da cidade.

Compartilhes
Leia Mais